Faixa Atual

Título

Artista

Background

Dead Combo

O espetáculo de homenagem ao contrabaixista Pedro Gonçalves, dos Dead Combo, está marcado para 28 de setembro no Teatro Municipal São Luiz.

O músico português Pedro Gonçalves, dos Dead Combo, morreu hoje, em Lisboa, aos 51 anos, disse à Lusa o agente do grupo, José Morais.

Os portugueses Dead Combo cancelaram os 15 concertos previstos para novembro e dezembro, que encerrariam a digressão de despedida dos palcos, revelou o agente do grupo.

A programação do Mural 18, iniciativa dos 18 municípios da Área Metropolitana de Lisboa (AML), de apoio a agentes culturais através do desenvolvimento de uma programação em rede, arranca hoje online.

A despedida dos Dead Combo dos palcos, que deveria acontecer este ano, fica adiada para o final de 2021, devido à pandemia da covid-19 e a problemas de saúde de um dos elementos.

A União Audiovisual (UA), de apoio a trabalhadores da Cultura cujo trabalho foi afetado pela covid-19, realiza concertos em Évora, hoje e sábado, com The Legendary Tigerman, Dead Combo, OMIRI e Duarte.

Ricardo Ribeiro, Miramar, Sérgio Godinho, Dead Combo e Pedro Caldeira Cabral estão entre os artistas que atuam no festival Soam as Guitarras, que decorre em março e abril em Oeiras, Évora, Póvoa de Varzim e Setúbal.

Dead Combo, D’Alva, Capitão Fausto, Paus, Tarantula e Carminho são alguns dos nomes confirmados na 18.ª edição do Sons de Vez que arranca a 8 de fevereiro, em Arcos de Valdevez.

Áurea, Dead Combo, GNR e Variações são alguns dos nomes do cartaz do 6.º festival Às Vezes o Amor, que decorre em fevereiro de 2020, em 11 cidades portuguesas.

Os Dead Combo iniciam a digressão de despedida com dois concertos a 6 e 7 de dezembro na Galeria Zé dos Bois (ZDB), em Lisboa, o espaço que marcou o aparecimento do projeto de Pedro Gonçalves e Tó Trips.

A dupla Tó Trips e Pedro Gonçalves anunciou hoje que os Dead Combo vão acabar, mas não sem antes se lançarem num “passeio pela [sua] história” que os vai levar em digressão entre este ano e o próximo.

Dino D’Santiago foi o artista mais premiado na primeira edição dos Play – Prémios da Música Portuguesa, ao vencer três das 12 categorias – Melhor Artista a Solo, Melhor Álbum e Prémio da Crítica.