Faixa Atual

Título

Artista

Background

Miragem leva 18 filmes a seis espaços do Pico

Escrito por em 24/08/2022

A terceira edição da Miragem – Arte Cinemática na Paisagem vai decorrer de 03 a 10 de setembro no Pico, Açores, exibindo 18 filmes em seis espaços diferentes da ilha, para “refletir sobre o território”.

Em declarações à Lusa, Rita Morais, da organização, explicou que o festival vai projetar filmes em “várias paisagens da ilha ao ar livre” e promover um “conjunto de oficinas criativas” que vão abordar os filmes do cartaz e “estabelecer um diálogo com a comunidade”.

“O que destaco da edição deste ano é o trabalho de colocar em relação o som e a musicologia com a imagem em movimento. Este gesto deve-se à motivação que a Miragem tem em entrar em contacto real com a comunidade da ilha”, declarou.

Rita Morais destacou que nas “oficinas criativas” do festival vão participar as bandas filarmónicas da ilha, o Centro de Formação Artística da Madalena e Escola Municipal de Música das Lajes.
“A ideia é olhar para o que melhor se faz na ilha ao nível de atividade cultural. Tem sempre a ver com a música e com o ensino dos instrumentos”, assinalou.

A mostra de cinema vai exibir 18 filmes em seis espaços diferentes da ilha do Pico, como a Mata dos Dragoeiros, no Museu do Vinho, a Baía das Canas ou a Maré das Lajes do Pico. “A intenção é que olhemos para o nosso em torno com outra atenção através destes filmes”, reforçou.

Os filmes vão promover um “diálogo” com a paisagem onde vão ser exibidos como forma de “refletir sobre o território”. “Cada sessão decorre numa paisagem diferente e o programa pensando para cada sessão tende a encontrar ecos entre aquilo que está a ser retratado e a paisagem onde está instalada a tela”, disse.

E exemplificou: “a 07 de setembro, o local escolhido é o Cabrito, uma zona de escoadas lávicas junto ao mar. Os filmes que são projetados nesse dia são todos à volta do som, mas esse trabalho de som é feito em conjunto com um olhar para imagens de terra vulcânicas”.

Entre os filmes exibidos está a “Casa, A Verdadeira e a Seguinte, Ainda Está por Fazer” (2019), de Sílvia das Fadas, “Moon’s Pool” (1973), de Gunvor Nelson, “Notes From Light Music” (1975), de Lis Rhodes, ou “Nelson Cavaquinho” (1969), de Leon Hirszman.

Marcado como