Faixa Atual

Título

Artista

Background

BMG adquire catálogo de Jean-Michel Jarre

Escrito por em 22/07/2022

O grupo alemão de gestão musical BMG divulgou esta quinta-feira que adquiriu os direitos do reportório histórico do pioneiro da música eletrónica Jean-Michel Jarre.

A aquisição, cujo montante não foi divulgado, “é o maior contrato alguma vez celebrado pelo BMG em França”, sublinhou o grupo em comunicado. O negócio faz parte de uma recente tendência de compra de direitos musicais por gigantes do setor, atraídos pelos ganhos gerados através do “streaming”.

A BMG já detém os direitos das gravações dos três primeiros álbuns do artista, clássicos como o álbum “Oxygène” (1976), o primeiro sucesso mundial do artista, ou “Equinoxe” (1978). O grupo alemão já controla os direitos de vários artistas importantes, como Lenny Kravitz ou Kylie Minogue.

Jean-Michel Jarre, de 73 anos, vendeu 85 milhões de discos ao longo de sua carreira e quebrou vários recordes com concertos espetaculares em todo o mundo, como um organizado em Paris-La Defense, em 1990, que reuniu 2,5 milhões de pessoas.

Mais recentemente, o “streaming” de um espetáculo do músico francês em realidade virtual, realizado no coração da catedral de Notre-Dame de Paris para celebrar a entrada em 2021, atraiu 75 milhões de pessoas, recordou o BMG.

“Estou feliz que o catálogo esteja aqui na Europa e que o meu trabalho continue a ser desenvolvido em boas mãos”, sublinhou Jean-Michel Jarre, citado no comunicado de imprensa. “É um recomeço que me permite desenvolver novas ideias e que me dá meios para explorar novos territórios. Juntos, vamos prosperar”, acrescentou.

O artista, aficionado por novas tecnologias, continua a compor e a investir no metaverso (mundo virtual). O lançamento do seu novo álbum “em modo imersivo” está programado para setembro, adiantou fonte da sua comitiva à agência France-Presse (AFP).

Jean Michel Jarre nasceu em Lyon, há 68 anos, teve formação clássica em música, foi guitarrista de bandas rock como os Mystère 4 e The Dustbins e, em 1968, ingressou no Grupo de Investigação Musical da antiga rádio e televisão pública ORTF, dirigido pelo compositor Pierre Schaeffer (1910-1995), nome fundador da música concreta, especialista em eletrónica e acústica.

“The Concerts in China” e “Magnetic Fields” (1981), “Zoolook” (1984), “Revolutions” (1986), “Waiting for Cousteau” (1990), “Chronologie” (1993), “Metamorphoses” (2000), “Geometry Of Love” (2003) são outros álbuns que marcaram a sua carreira. O francês é embaixador da boa vontade da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO, na sigla em inglês).

Marcado como

Opnião dos Leitores

Deixe uma resposta