Faixa Atual

Título

Artista

Background

Universidade Federal do Paraná inaugura Cátedra Saramago

Escrito por em 03/05/2022

A Universidade Federal do Paraná, no sul do Brasil, inaugura, na próxima sexta-feira, a Cátedra Saramago, coincidindo com o ano do centenário do nascimento do Nobel português da literatura, anunciou hoje o Camões Instituto, no seu site.

A sessão de inauguração conta com a participação do presidente da Assembleia da República, Augusto Santos Silva, do embaixador de Portugal junto do Governo brasileiro, Luís Faro Ramos, do coordenador para as comemorações do centenário saramaguiano, Carlos Reis, que dará uma aula inaugural, e ainda do reitor Ricardo Marcelo Fonseca, “e de outras autoridades académicas” da universidade.

Esta é a oitava cátedra criada no Brasil pelo Camões – Instituto da Cooperação e da Língua. A cátedra, adianta a mesma fonte, será coordenada por Patrícia da Silva Cardoso, professora do Departamento de Linguística, Letras Clássicas e Vernáculas do Setor de Ciências Humanas da Universidade Federal do Paraná (UFPR), que “permitirá o estabelecimento de condições para o desenvolvimento da investigação na área de Estudos portugueses, nomeadamente da história, estrutura, promoção e difusão da Literatura Portuguesa e de expressão portuguesa, bem como das culturas do espaço lusófono”.

A cátedra Saramago na UFPR é a oitava a ostentar o nome do Nobel português, ao lado de outras cátedras na América Latina e Europa, nomeadamente em Espanha, Itália, Bulgária, México e Peru.
Para o instituto Camões há assim “a possibilidade de criação de redes de colaboração e cooperação que, tanto o Camões quanto as universidades, estimulam”.

No mesmo comunicado, o presidente do instituto Camões, João Ribeiro de Almeida, realça que esta é a 61.ª Cátedra Camões no mundo, uma “aposta continuada que o país faz na consolidação de uma ampla rede de estruturas que prestam um enorme contributo à promoção da língua portuguesa como língua de ciência e de conhecimento, mas também à divulgação da cultura portuguesa e às culturas em língua portuguesa”.


Opnião dos Leitores

Deixe uma resposta