Faixa Atual

Título

Artista

Background

Museu do Caramulo cria bolsas em arte e em mecânica

Escrito por em 23/04/2022

O presidente do Museu do Caramulo anunciou hoje que lançou duas bolsas de estudo em parceria com a Universidade Nova de Lisboa, para as artes, e com o Instituto Politécnico de Viseu, para a mecânica.

“Para celebrar esta reabertura da coleção de arte e do Caramulo Experience Center, o novo museu, o Museu do Caramulo lançou duas bolsas de estudo. A primeira é a Abel Lacerda em parceria com a Universidade Nova de Lisboa, para o curso de história de arte”, anunciou Salvador Patrício Gouveia.

A segunda, continuou, é “a bolsa João de Lacerda, com o `Caramulo Experience Center´, em parceria com o Instituto Politécnico de Viseu, para a área da engenharia mecânica” a pensar no novo espaço museológico dedicado ao automóvel.

“Queremos atrair os talentos e potenciar e inspirar os talentos dentro das áreas das coleções que titulamos. E, depois, trazê-las para perto do museu, criando um espírito de desenvolvimento e de interesse por estas áreas que, mais do que nunca, devem ser acarinhadas”, defendeu.

Salvador Patrício Gouveia falava no discurso de reinauguração do Museu do Caramulo, que começou em 1953, pela mão de Abel Lacerda num pequeno espaço, e em 1959 foi inaugurado o atual edifício que, desde 2019, tem sido alvo de “uma renovação total, ampla e transversal” e ainda a inauguração do novo espaço, o Caramulo Experience Center.

Este novo espaço é dedicado em exclusivo ao automóvel e os visitantes “podem ter um contacto mais próximo com as viaturas expostas” e tem ainda um espaço reservado à reparação e conservação dos automóveis, também disponível para os colecionadores privados.

No decorrer do discurso, Patrício Gouveia disse que ao preparar a cerimónia se deparou com fotografias de 1959 onde viu “pais e avós de pessoas” que hoje marcaram presença naquele que, considerou, é “o dia mais importante a seguir ao da inauguração” em 1959.

“Hoje, esta dupla inauguração é com certeza a inauguração desta geração do Caramulo, mas ao contrário de 1959, não queremos que seja a última inauguração desta geração”, afirmou enquanto lembrou o projeto que tem com a Câmara Municipal de Tondela para fazer nascer na localidade uma “vila museu”.

Uma vila que, segundo disse, “tem inúmeros polos museológicos diferentes” para que o Caramulo se possa “tornar um destino realisticamente e verdadeiramente distinto e único como merece”.

A título de exemplo do projeto municipal, Salvador Patrício Gouveia apontou o Museu da Estância Sanitorial do Caramulo” que vai nascer a cerca de meio quilómetro do Museu do Caramulo e cujas obras decorrem.

Presidente da República enaltece uma “certa militância” para a democratização da cultura

O Presidente da República destacou hoje a importância da democratização do acesso à cultura, para todas as pessoas, estejam onde estiverem, e elogiou uma “certa militância existente” no país nesse sentido.

“Recentemente, a propósito do debate que houve, sobre a localização geográfica de um órgão do poder político, disse-se que nenhum lugar de Portugal seria indigno de o receber. É o raciocínio que vale para os museus”, defendeu Marcelo Rebelo de Sousa, no Museu do Caramulo, Tondela.

O presidente da República discursava na reinauguração do Museu do Caramulo e inauguração de uma extensão dedicada ao automóvel denominada `Caramulo Experience Center´, na Serra do Caramulo, em Tondela, distrito de Viseu.

“Tenho felizmente observado que tanto os responsáveis autárquicos, como a sociedade civil, as empresas, as fundações, os mecenas, compreendem que um acerco ou uma coleção não ficam diminuídos se estiverem fora de Lisboa ou do Porto”, continuou.

Neste sentido, acrescentou que “há mesmo uma certa militância por esta dimensão territorial” daquilo que é chamado de “democratização cultural” com “a ideia de que todos os cidadãos, estejam onde estiverem, têm direito à cultura, incluindo a mais canónica ou a mais exigente, ou a mais contemporânea”.

“Por isso há museus ditos pequenos que são ainda assim ambiciosos; museus menos conhecidos e, no entanto, imperdíveis; museus que fazem o seu trabalho à espera que outros prestem a atenção devida, mesmo que nem sempre seja conseguida”, apontou.

Marcelo Rebelo de Sousa disse mesmo que “das experiências mais gratificantes nas viagens que o Presidente da República faz pelo país, é o encontro pela diversidade cultural e, sobretudo, com a tenacidade cultural”.

O Chefe de Estado sublinhou ainda que, “toda a gente tem uma tendência para falar” seja na comunicação social ou até na área do turismo, “nos grandes centros urbanos, das grandes instituições e das atrações evidentes”.

“Mas grande parte do Portugal cultural, como não podia deixar de ser numa nação secular, é património: igrejas, castelos, pelourinhos, bibliotecas, arquivos, museus que pela sua natureza vivem longe não apenas de Lisboa e do Porto, mas longe das luzes da ribalta”, considerou.

Neste sentido, destacou o Museu do Caramulo que tem “nesse contexto, este interesse imediato, com um segundo edifício construído de raiz, para funcionar como museu em 1959, que representa um marco no panorama museológico português”.

Hoje, na reinauguração da “renovação total, ampla e transversal” que os dois edifícios do museu sofreram nos últimos três anos ena inauguração de uma extensão, um terceiro espaço dedicado ao automóvel, o Presidente não poupou elogios e partilhou memórias.

No decorrer da visita ao `Caramulo Experience Center´, onde estão agora alguns dos automóveis mais icónicos do Museu do Caramulo, Marcelo Rebelo de Sousa admitiu que chegou a colecionar carros.

“Sabe que cheguei a ter uma míni-coleção de automóveis a meias com um amigo, ele financiava e eu escolhia. Não deu certo, porque ele fartou-se e acabámos com a coleção”, disse, entre gargalhadas.

E, junto do presidente do Museu do Caramulo, Salvador Patrício Gouveia, contou ainda que, foi proprietário de “um Nash Metropolitan da  British Leyland, que foi retirado do navio Hildebrand, que foi ao fundo, e foram retirados três”. “Havia só três e eu tinha um e depois acabei por vender para Leiria”, contou.

Marcado como

Opnião dos Leitores

Deixe uma resposta