Faixa Atual

Título

Artista

Background

Parque de Ovar recebe Festival Gigantes Invisíveis

Escrito por em 23/04/2022

O Parque Ambiental do Buçaquinho, no concelho de Ovar, recebe de segunda-feira até 30 de abril a sétima edição do Festival Gigantes Invisíveis, que propõe teatro, música, dança e outras manifestações artísticas para incentivar a leitura nas crianças.

Organizado pela referida autarquia do distrito de Aveiro e pela empresa Imaginar do Gigante, a iniciativa tem entrada livre e recorre a vários formatos de literatura contemporânea vocacionada para o público infantojuvenil para dar a conhecer histórias que criem nessa audiência hábitos de leitura mais regulares.

O evento divide-se em dois períodos distintos, sendo que, durante os dias úteis, estará focado em atividades para o público escolar, levando a jardins e espaços interiores do parque de Esmoriz e Cortegaça várias oficinas, um conto narrado na tradição japonesa Kamishibai e outra história dramatizada pela companhia Teatro Extremo de Almada.

Essa encenação será “A lenda das amendoeiras em flor”, que, visando “reavivar a memória dos tradicionais contadores de histórias”, evocará o reino árabe do Algarve para dar a conhecer uma princesa que, sofrendo de uma doença estranha, conhece um sábio e poeta que descobre qual a cura de que ela precisa.

Já no feriado do 25 de Abril e no sábado, dia 30, o festival abre-se ao público em geral, com uma oferta mais alargada de atividades, na qual se incluem espetáculos, novas oficinas, uma mostra de ilustração e ainda conversas com escritores, ilustradores e editores.

Uma das peças anunciadas para esse período é “Hippos”, em que a companhia espanhola Zum Zum Teatre explora um mundo onde “animais e pessoas convivem diariamente” e no qual os hipopótamos motivam uma “viagem dinâmica que pode ser uma fábula, uma metáfora ou uma reflexão sobre a humanidade animal”.

Outra das propostas para o feriado e o sábado é o espetáculo de teatro de papel “Una Manzanita Uno Manzano”, também por uma companhia de Espanha, a De Paper. “Aran deu uma mordida numa maçã e dentro encontrou um tesouro, uma pequena semente que, com a ajuda da terra e da chuva, se tornará uma bela macieira”, antecipa a sinopse da peça, adiantando que cadernos e canções populares vão assim mostrar “o ciclo da vida e o incrível mundo das plantas”.


Opnião dos Leitores

Deixe uma resposta