Faixa Atual

Título

Artista

Background

CCV disponível para digitalizar e arquivar filmes caseiros

Escrito por em 19/04/2022

O presidente do Cine Clube de Viseu (CCV) disse que há a possibilidade de digitalizar e arquivar filmes caseiros e amadores, com interesse histórico e para a região, para salvar as imagens das películas.

“Pretendemos que alguns arquivos de família e filmes amadores, que ainda estão em fita, que tenham interesses históricos relevantes possam ser digitalizados e preservados através de edições digitais e, desse modo, estarem acessíveis não só para os proprietários como para o Cine Clube de Viseu”, explicou Rodrigo Francisco à jornalista Isabel Marques Nogueira, da Lusa.

Este responsável disse que, antes da digitalização, “era impossível” para o CCV fazer isto, “porque não tinha condições físicas, nem técnicas, para arquivar fitas”, mas, agora, “é possível dar uma resposta a muitas películas que, com o tempo, se estão a degradar”.

“Muitas vezes, com as insuficiências de meios, os próprios proprietários já não conseguem ter acesso aos seus próprios arquivos e, assim, ficam com acesso e permitem um espaço de encontro para o público em geral”, defendeu.

“Voos domésticos”, como foi intitulado o projeto, pretende “permitir que estes arquivos tenham quase que uma segunda vida e sejam válidos para a comunidade atual”, uma vez que se têm revelado, atualmente, “como um dos campos mais férteis para o conhecimento das comunidades”.

Rodrigo Francisco disse que estão a ser “usados por vários realizadores como matéria para os seus próprios filmes e é um campo fértil na investigação do cinema contemporâneo”. A título de exemplo, apontou Edgar Pêra, que, no último festival Vista Curta, em Viseu, apresentou um filme com imagens de arquivos caseiros.

A ideia surgiu “da procura por parte de particulares, junto do CCV, para tirar dúvidas sobre como arquivar”, levantando também “questões sobre os filmes que possuem”, e isso permitiu “traçar um perfil do tipo de obras e de anos [época] que eventualmente vão chegar” à coletividade.

Assim, continuou, esperam-se “filmes familiares e amadores, sobretudo, das décadas de 1950, 60, 70” e, para uma maior abrangência, será ainda divulgada, na página da internet, “a informação necessária que as pessoas terão de reunir sobre esses arquivos”.

“Um dos objetivos, além de os filmes ficarem salvaguardados e em posse dos seus proprietários, é o próprio Cine Clube salvaguardar uma cópia. Mas ainda é cedo para percebermos o que é que isso poderá valer daqui a cinco, 10 ou 15 anos”, disse.

Isto, porque, por exemplo, com a devida autorização por parte dos proprietários, o CCV poderá “organizar uma sessão em que alguns arquivos possam ser apresentados publicamente, mediante o seu interesse”.

Um dos locais onde este tipo de arquivo pode ser visualizado é no Festival Vista Curta, que acontece normalmente no outono, em Viseu, e que tem exibido estas imagens. O CCV, que organiza o evento, “pretende que seja uma rubrica anual”.

Ainda sem noção do que poderá haver, Rodrigo Francisco espera ter “capacidade de resposta” para quem procurar aderir aoprojeto e, quem sabe se, no futuro, “não poderá ser possível contar parte da história da região com as imagens” que poderão chegar ao CCV.


Opnião dos Leitores

Deixe uma resposta