Faixa Atual

Título

Artista

Background

DGArtes: Plateia considera insuficiente aumento do apoio

Escrito por em 04/04/2022

A associação Plateia – Profissionais de Artes Cénicas considerou hoje insuficiente o aumento, em cerca de 20%, do montante global dos concursos de apoio sustentado da Direção-Geral das Artes (DGArtes), nas modalidades bienal e quadrienal entre 2023 e 2026.

Na quinta-feira soube-se, através de uma portaria publicada em Diário da República, que o Governo autorizou a DGArtes a repartir 81,3 milhões entre o programa de apoio sustentado bienal de 2023-2024 e o quadrienal de 2023-2026. Este valor representa um aumento de mais de 20% face ao anterior ciclo, estando ainda por anunciar as verbas para outras linhas de apoio.

Para a Plateia, num comunicado hoje divulgado, “este aumento é bem-vindo, mas não é ainda o suficiente”. “Neste novo ciclo é fundamental que as estruturas tenham condições para garantir a urgente transformação das práticas laborais no setor a que a lei obriga. Não nos parece que os montantes agora apresentados sejam suficientes sequer para dar conta desta mudança sem prejudicar a regularidade e intensidade das atividades das estruturas artísticas”, alerta aquela estrutura.

A Plateia salienta que, com estes valores, “neste novo ciclo do programa não será possível ainda levar a cabo o necessário incremento das atividades artísticas, da sua diversidade e da sua implementação territorial”.

“Em Portugal é ainda incipiente o número de projetos de criação e difusão artística, nomeadamente nas regiões do interior do país. Os estudos sobre as práticas culturais têm tido resultados preocupantes e revelam que é necessário um maior investimento público para que a arte e a cultura sejam realmente um bem comum”, recorda a Plateia, sublinhando que “estas linhas de financiamento são dos mais importantes mecanismos do Estado para assegurar o direito constitucional de acesso à cultura, e por isso têm de ser muito mais reforçadas”.

Aquela estrutura representativa dos trabalhadores tem “expectativa que o novo Governo compreenda que é fundamental que o reforço do montante destinado ao programa de apoio sustentado às artes vá muito mais longe, e que, a breve trecho, reforce estas verbas”.

Além disso, a Plateia reforça o apelo em relação à “urgência da abertura dos concursos, pois esta protelação torna cada vez mais difícil a garantia de iniciar o ano de 2023 com os resultados finais publicados”.

A declaração anual da DGArtes para 2022, que inclui o calendário de concursos, só poderá ser lançada após a aprovação do Orçamento do Estado, esclareceu na semana passada aquele organismo.
Para a Plateia é “inaceitável as estruturas artísticas chegarem ao final de um ciclo de financiamento sem a certeza de conseguirem assegurar as condições para prosseguir com a sua atividade”.

“Para que as estruturas possam prestar um serviço público, garantir salários, fornecedores e despesas fixas, e assegurar os compromissos firmados com teatros, museus, festivais, escolas, etc., é essencial que o financiamento disponível para o novo biénio/quadriénio lhes seja comunicado com a maior antecedência possível”, justifica.

O montante global de apoios financeiros do Estado ao abrigo do programa de apoio sustentado até 2026 é de 81.335.008 euros, fixando a sua distribuição em 25.938.352 euros para 2023, de 25.938.352 euros para 2024, de 14.729.152 euros para 2025, e de 14.729.152 euros para 2026.

A portaria, publicada na quinta-feira em Diário da República, indica ainda que “os valores fixados em cada ano económico podem ser acrescidos do saldo que se apurar na execução orçamental do ano anterior”.

Marcado como

Opnião dos Leitores

Deixe uma resposta