Festival Karma regressa em setembro

Escrito por em 28/07/2021

O festival Karma, dedicado à música independente, volta este ano a ter como cenário a Mata do Fontelo, em Viseu, permitindo ao público um encontro entre a natureza e as artes, de 02 a 05 de setembro.

Em 2020, devido à covid-19, a Mata do Fontelo recebeu um evento à medida da realidade então vivida, chamado ironicamente “Karma is not a fest”, lembrou o diretor artístico do festival, Nuno Leocádio, durante a apresentação da programação.

Este ano, o objetivo foi “redefinir o Karma como se fosse a primeira vez”, porque continuam a existir restrições não só por causa da pandemia, mas também da Mata do Fontelo, “que tem tanto de monumental, como de frágil”, justificou.

Nuno Leocádio disse aos jornalistas que a cooperativa cultural organizadora do festival, que tem sede no espaço Carmo’81, encara esta situação com “positividade”. “Se isto fosse algo prejudicial não o faríamos”, garantiu, acrescentando que este evento, a cada ano, representa a emotividade de saber que a cooperativa continua “a fazer não por fazer”, mas pelas responsabilidades que tem para com os artistas e “quem se alimenta da cultura”.

O responsável avançou que as atividades musicais acontecerão no largo principal da Mata do Fontelo e, as restantes, nas proximidades. A programação do Karma inclui concertos de A Azenha, Marlow Digs, Club Makumba, Cabrita (na foto de capa), Yakuza, Bardino, Dada Garbeck e Amaterazu.

Nuno Leocádio disse que o concerto de A Azenha, que abre o festival Karma, “define muito o que o Carmo’81 é: música com cenário, com ilustração, com vídeo”. Serão também apresentadas criações como os Estranhofones, de Samuel Martins Coelho e César Estrela, e o livro de fotografias de concertos de Rafael Farias.

Segundo Nuno Leocádio, irá também realizar-se a Oficina de Criação Musical, com João Pedro Silva, e será apresentada a Escola do Rock de Paredes de Coura. Uma exposição de fotografia de Rafael Farias e a realização de um filme que é uma experimentação visual e sonora sobre os pressupostos de uma mata centenária, produzido e realizado pelos Supermoon, também fazem parte da programação.

O festival Karma conta com 50 mil euros de apoio financeiro do município de Viseu. Nuno Leocádio realçou que setembro será um mês muito importante para o espaço Carmo’81, situado no centro histórico de Viseu e que, devido à pandemia, tem tido a atividade ao público parada.

“O Karma representará a alavanca que irá reabrir o Carmo”, afirmou, deixando o compromisso de que, a partir daí, irá “voltar a ter atividade cultural regular, seja para 20 pessoas, seja ‘on line’”. O Carmo’81 tinha uma programação regular desde agosto de 2015.

Marcado como

Opnião dos Leitores

Leave a Reply


[Nenhuma estação de rádio na Base de dados]