Promotores querem apoios e calendário de eventos

Escrito por em 19/02/2021

Os promotores de espetáculos e festivais querem mecanismos de financiamento e cobertura de risco, para fazer face ao impacto da pandemia no setor, e mantêm a esperança num calendário de eventos no verão, “seja ele qual for”.

O pedido de medidas específicas é feito pela Associação de Promotores de Espetáculos, Festivais e Eventos (APEFE), numa carta enviada esta semana ao ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, e à ministra da Cultura, Graça Fonseca, com conhecimento do primeiro-ministro.

Na carta, a que a Lusa teve acesso, a associação recorda que “esta indústria tem estado praticamente paralisada há 11 meses, e não existem ainda bases sólidas que permitam garantir a sua sustentabilidade”.

A APEFE, que representa cerca de 60 promotoras e entidades de espetáculos, defende quatro medidas para apoiar o setor, entre as quais uma linha de crédito específica e um seguro que cubra “pelo menos parcialmente as perdas” associadas a “eventuais restrições” decorrentes da pandemia.

A APEFE quer também que seja criado um “mecanismo de cobertura de risco de perda de rendimento resultante das restrições no número de lugares” na lotação dos espaços, e defende um prolongamento da aplicação do decreto-lei 10-I/2020, que diz respeito a reembolsos e reagendamentos de espetáculos.

Atendendo ao novo confinamento geral, iniciado a 15 de janeiro e que se deverá prolongar até março, a associação defende que devem ser estendidas “as datas-limite para os reagendamentos dos eventos, validade e data prevista para reembolso dos ‘vouchers’ no caso de não uso”.

À Lusa, o promotor Luís Pardelha, da direção da APEFE, explicou que a carta enviada expressa as preocupações de um setor que tem esperança que um “calendário de verão, seja ele qual for, exista”.

“Temos esperança que não só o governo, como a Direção-Geral da Saúde entendam que [se] não há condições para haver verão, ou que não haja verão dos maiores eventos, mas que se encontre alguma plataforma de entendimento para que o mercado consiga fazer algumas das coisas, ou que possam ser feitas em menor escala”, disse.

Caso não seja possível ter o mesmo cenário de grandes eventos como em 2019, para lotações maiores, a associação espera que o governo ajude os promotores, “tal como tem acontecido em toda a Europa”, e que os municípios “não se demitam das suas responsabilidades”.

Luís Pardelha espera que as autoridades municipais criem condições “para eventos de melhor escala e com outras condições – mesmo que tenham de se reinventar – e que não sejam cancelados como foram na maior parte no ano passado, deixando sem chão mais de cem mil pessoas que trabalham neste mercado”.

A associação pede celeridade por parte do poder político em olhar para o setor: “Precisamos de tempo para preparar as coisas, as que puderem acontecer e mesmo as que não puderem acontecer. Não podemos ser confrontados com uma data de reaberutra a poucos dias da mesma”.

Questionado sobre o que o governo francês decidiu na quinta-feira, de permitir a realização de festivais e eventos de música para uma audiência de 5.000 pessoas, sentadas e com distanciamento, Luís Pardelha disse que é uma proposta conservadora.

“Não são o modelo que gostaríamos de ver seguido, porque isso significa que nenhum dos grandes eventos será possível. (…) Torna praticamente impossível todos os grandes festivais em Portugal”, disse.


Opnião dos Leitores

Leave a Reply


[Nenhuma estação de rádio na Base de dados]