Angra do Heroísmo retoma festival cancelado em março

Escrito por em 01/10/2020

O Festival de Teatro de Angra do Heroísmo, nos Açores, que chegou a estar programado para março, é retomado de 02 a 18 de outubro, com espetáculos de seis grupos de teatro da ilha Terceira.

“Um dos eventos que nós queríamos e fazíamos questão que fosse realizado assim que fosse possível era precisamente o festival de teatro, porque é um festival importante, precisamente por envolver grupos locais”, adiantou, em declarações à jornalista Carina Barcelos, da Lusa, o vereador Guido Teles, da Câmara Municipal de Angra do Heroísmo, que organiza o evento.

Há vários anos que o teatro faz parte da programação cultural do município, com uma temporada que inclui habitualmente grupos locais e grupos nacionais, com espetáculos mais espaçados ao longo do ano.

Em 2020, a autarquia decidiu fazer um festival mais concentrado no tempo, com espetáculos todos os dias, em dois palcos, que chegou a estar anunciado para março, mas teve de ser adiado devido à pandemia da covid-19.

“Já havia muita vontade de voltar às salas de espetáculo para assistir às mais diversas manifestações culturais. Nós iniciámos [esse regresso] com a realização de concertos com a presença de público e também com as sessões de cinema, e agora vamos ter de facto o prazer de oferecer ao público estas peças de teatro, que são muito ansiadas, parece-me”, salientou Guido Teles.

Na versão inicial, estava prevista a participação de um grupo de teatro do continente português, que, para além de atuar, daria formação aos grupos locais. No entanto, o festival vai estrear-se apenas com os atores da ilha.

“Temos bastantes grupos de teatro para a população que temos e isso é uma evidência de que é uma das manifestações culturais com mais procura na ilha”, sublinhou o autarca.

Numa ilha que festeja o Carnaval com quatro dias seguidos de danças, bailinhos e comédias, manifestações de teatro popular e música, integradas este ano no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial, o teatro tem uma relevância particular.

“Acaba por ser uma das manifestações culturais que tem mais peso cá na ilha Terceira, precisamente porque os artistas vão nascendo muito cedo e todos os anos, sobretudo à conta do Carnaval”, realçou Guido Teles.

O Festival de Teatro de Angra do Heroísmo arranca esta sexta-feira, no centro cultural e de congressos da cidade, com a peça “Quatro sogras é demais”, do grupo de teatro Pedra-Mó, com texto do grupo.

Na próxima semana, no dia 07 de outubro, sobe ao palco o grupo A Sala, com “Boa noite, mãe”, de Marsha Norman, seguindo-se, no dia 10, a peça “Cartas do Brasil”, da companhia Cães do Mar, com encenação do inglês Peter Cann.

No dia 11, o espetáculo é dedicado aos mais novos, com a peça “Uma viagem pelos tesouros do mar”, do grupo de teatro infantil Galáxia, e no dia 16 o grupo de teatro Alpendre leva à cena a peça “A solidão da Casa do Regalo”, do escritor terceirense Álamo Oliveira.

O festival encerra no dia 18 de outubro com o teatro de variedades do Porto Judeu, apresentado pela associação Dionysus. Os espetáculos terão uma lotação máxima de 115 pessoas e é obrigatório o distanciamento social e uso de máscara, devido à pandemia de covid-19.


[Nenhuma estação de rádio na Base de dados]