Faixa Atual

Título

Artista

Background

Cat Stevens atua em julho em Oeiras

Escrito por em 19/12/2019

O músico britânico Yusuf Islam, em tempos conhecido como Cat Stevens, atuará em julho em Portugal, num novo festival de música em Oeiras.

O concerto de Cat Stevens, anunciado como o primeiro do artista em Portugal, está marcado para 4 de julho no festival Jardins do Marquês Oeiras Valley, organizado pela Música no Coração em parceria com a Câmara Municipal de Oeiras.

Hoje apresentado, o evento é descrito como uma “experiência de festival de música sofisticada” para “um público que privilegia a qualidade e o conforto e procura novas experiências”.

O festival acontecerá em sete noites de julho com os concertos a repartirem-se por dois palcos naqueles jardins, um dos quais com curadoria do músico brasileiro Pierre Aderne.

Cat Stevens, atualmente com 71 anos, deixou para trás os caminhos da canções pop rock em 1978 para se dedicar sobretudo à folk, numa altura em que também abandonou aquele nome artístico, passando a chamar-se Yusuf Islam, depois de se converter ao islamismo.

Na página oficial, o músico fala de uma “profunda transformação musical” para uma sonoridade mais despida e intimista, a par de um processo de mudança espiritual que o levou a participar em projetos humanitários.

É autor de canções como “Wild World”, “Father & Son”, “Peace Train” e “Morning Has Broken”, de uma discografia com mais de uma dezena de álbuns, o mais recente dos quais, “The Laughing Apple”, de 2017.

De acordo com a lista de concertos já marcados para 2020, Cat Stevens celebrará em palco os 50 anos da edição do álbum “Tea for the Tillerman”, um dos mais conhecidos da discográfica do compositor.

O Festival Jardins do Marquês Oeiras Valley coincidirá com um outro festival de música, o CoolJazz, no concelho vizinho de Cascais e cujo cartaz de 2020 conta já com John Legend, Neneh Cherry e Lionel Richie.

Os Jardins do Marquês foram, aliás, um dos palcos do CoolJazz até 2017, um festival que no ano seguinte transitou para o concelho de Cascais.


Opnião dos Leitores

Deixe uma resposta