Sustentabilidade é o mote do Fuso

Escrito por em 05/08/2019

A sustentabilidade é o mote do festival Fuso – Anual de Videoarte Internacional de Lisboa, que se realiza entre 27 de agosto e 1 de setembro, com entrada gratuita, em seis espaços culturais da capital portuguesa.

De acordo com a organização, esta 11.ª edição do FUSO – Anual de Videoarte Internacional de Lisboa dedica um dos seus programas a uma ‘Open Call’ aberta a artistas portugueses e artistas a residir em Portugal. Para esta edição da ‘Open Call’ foram recebidos 147 vídeos e selecionados 14 por Jean-François Chougnet, diretor artístico do Fuso, e os trabalhos vão ser apresentados no dia 29 de agosto, às 22:00, na Praça do Carvão do Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (MAAT).

A sustentabilidade, “entendida como o respeito ao meio ambiente, à diversidade cultural e social e a um crescimento económico justo e consequente”, é o mote da edição deste ano, segundo a organização. Desde 2009 que o festival apresenta obras em videoarte em espaços ao ar livre, em Lisboa, como jardins e claustros de museus, com entrada livre, acolhendo artistas, curadores, público em geral, instituições portuguesas envolvidas nesta prática artística, e ainda especialistas e responsáveis por coleções internacionais.

Desafios como o aquecimento global, “cujas informações científicas têm sido desacreditadas por governos de países em que a extrema-direita ascende ao poder, posicionando-se contrariamente aos direitos de minorias, e a acordos internacionais de livre circulação de ideias e de pessoas”, estarão no centro do debate dos artistas nesta edição. Nesta área, o evento tentará “encontrar respostas para as mudanças de consciência, de atitude e de funcionamento que seriam propícias por parte dos artistas, curadores, críticos, galeristas e colecionadores, a título individual e institucional”.

Entre os artistas que participam nesta 11.ª edição estão Cinza Nunes, com o vídeo “Périot Meets Acconci”; Gonçalo Nogueiro Neves mostra “What Really Goes Through Our Minds: The Times They Are A-Changin”, sobre o consumo constante de tecnologia; e o artista plástico Isaque Pinheiro apresenta “A Gregos e a Troianos”, um vídeo pensado e construído enquanto desdobramento de uma obra escultórica interativa e performativa, também da sua autoria.

Entre outros trabalhos na programação, estão o do artista visual João Paulo Serafim, “Extinct Birds”, que questiona os modelos tradicionais de representação, classificação, organização de génese científica; de João Pedro Fonseca, que mostra “Animal Fantasma”; do músico brasileiro Marcos Kuzka, que exibe “Pong Ping”, um duelo entre o telemóvel e o ambiente.

Aos vídeos da ‘Open Call’ vão ser atribuídos dois prémios: Prémio Aquisição Fuso – Fundação EDP/MAAT, para a melhor obra eleita pelo júri, no valor de 2.500 euros, e o Prémio Incentivo Fuso – Restart, atribuído pelo público, de apoio a um projeto através de cedência de recursos e meios técnicos no valor de 1.500 euros. O júri será presidido por Margarida Chantre (Fundação EDP/MAAT) e composto por Antoni Muntadas e Irit Batsry (artistas visuais), Isabel Nogueira (curadora, investigadora e professora universitária) e Luciano Scherer & Maíra Flores (vencedores do ‘Open Call’ Fuso 2018).

Os dois vencedores desta edição vão ser conhecidos no encerramento do festival, no dia 01 de setembro, às 23:30, no claustro do Museu da Marioneta, em Lisboa. O Fuso 2019 irá decorrer na Travessa da Ermida, na Praça do Carvão do MAAT, no Jardim do Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado, no Jardim do Museu Nacional de Arte Antiga, no claustro do Museu Nacional de História Natural e da Ciência e no claustro do Museu da Marioneta.


Opnião dos Leitores

Deixe uma resposta


[Nenhuma estação de rádio na Base de dados]